Tributo à Ayrton Senna - Fotos do Acidente e do Entrerro

  Home Page  
  Fórmula 1  
  Equipes  
  Pilotos  
  Pistas  


TRIBUTO À AYRTON SENNA

© 1997-2006 by Francisco Panizo Beceiro
E-Mail: webmaster@superspeedway.com.br

Leia a parte I do nosso tributo a Ayrton Senna
Leia a parte II do nosso tributo a Ayrton Senna
 
Leia a parte III do nosso tributo a Ayrton Senna - O Histórico do Piloto
 
Leia a parte IV do nosso tributo a Ayrton Senna - O Que Falou Prost
 


   AYRTON SENNA DA SILVA                                                                           Super Speedway - Tributo   

Ayrton SENNA da Silva (Brasil)

Nascido no dia 21 de março de 1960. Morto, no dia 1º de maio de 1994, durante o GP de San Marino, em Ímola. Senna foi um dos melhores pilotos de todos os tempos. Tinha a garra dos campeões, garra esta que parece faltar a todos os pilotos brasileiros que o seguiram.

Abaixo selecionamos 4 fotos marcantes do momento de sua morte, e de seu enterro em São Paulo. São fotos que simbolizam a tragédia e a adoração dos brasileiros e companheiros ao seu ídolo.

Ao final o relato da médica que atendeu Senna, e comentários sobre o cortejo e enterro do piloto em São Paulo.


O momento do acidente. O carro de Senna acaba de ricochetear ao bater na curva Tamburello. Devido à alta velocidade no momento do acidente - a curva na verdade era mais uma reta nesse ponto - o carro do piloto, mesmo totalmente desmanchado, ainda anda dezenas de metros até parar.

O piloto já está morto - embora oficialmente só iria morrer horas depois no hospital, já que senão a corrida teria que ser encerrada nesse instante - e apenas seu corpo mostra um pequeno espasmo ao desfalecer após a peça da suspensão ter penetrado em seu cérebro no instante do choque.

O estado do carro Williams de Senna, carro com que só disputou três GPs, após a batida. Seu lado direito, o mais afetado, é uma massa disforme do que foi, uns segundos antes, um carro de F-1.

Muito sangue na curva, mostrando que esse acidente não teria outra conseqüência que não a morte do nosso Senna.

A pista foi totalmente bloqueada, para a descida de um helicóptero, na tentativa de acelerar o atendimento médico ao piloto. O vôo do helicótero foi acompanhado por alguns minutos pelas câmaras de televisão, e foi uma das cenas mais emocionantes e tocantes daquele fatídico domingo.

O cortejo, em carro dos bombeiros, realizado em São Paulo, parou a cidade - além do Brasil todo - e levou às ruas da capital paulista mais de um milhão de ardorosos fãs, que acompanharam seu cortejo pelas maiores avenidas da cidade.

Pela televisão outros milhões de brasileiros, além de fãs em muitos países do mundo, acompanharam esse momento de adoração ao ídolo máximo do automobilismo.

Levando o caixão com o corpo de Senna, seus amigos: Gerhard Berger, Emerson Fittipaldi, Rubens Barrichello e Alain Prost.

Com certeza foi o único enterro de um piloto que trouxe colegas de outros países para dar o adeus final ao ídolo em sua terra natal.

 

O Relato da Médica que atendeu Senna no Hospital Maggiore

A médica Maria Teresa Fiandri, foi quem recebeu o piloto quando ele chegou ao hospital Maggiore, em Bolonha, meia hora após o acidente. Ela foi a pessoa que avisou ao mundo, há dez anos, que Ayrton Senna não mais vivia. Foi por suas mãos que ele passou ao chegar ao Hospital Maggiore, 32 minutos depois de bater no muro da curva Tamburello, em Imola, a 35 km dali. Foi de sua boca que saiu, após agonia de quatro horas, a notícia que abalou as estruturas da F-1, chocou o mundo e deixou um país dobrado sobre sua própria dor.

A médica Maria Teresa Fiandri parou de trabalhar no Maggiore em 2001, depois de 36 anos de serviços. Naquele 1º de maio, era a chefe do setor de Anestesia e Reanimação. Como sempre, desde que o circuito passou a receber a F-1, em 1980, fazia parte das equipes que poderiam ser chamadas para atendimento em casos de acidente. Naquele 1º de maio, não precisou esperar o bip chamá-la a qualquer momento. Quando Senna bateu, ela levantou, vestiu o jaleco e estava pronta para sair rumo ao hospital quando o piloto mexeu a cabeça pela última vez.

Fiandri estacionava seu carro no pátio reservado aos médicos do Maggiore quando viu o helicóptero cor-de-laranja se aproximar. Trazia Senna e uma equipe de reanimação que tentava mantê-lo vivo. No helicóptero mesmo ele já havia recebido uma transfusão de 4,5 litros de sangue. Ayrton tinha batido na abertura da sétima volta do GP de San Marino. Seu carro, na entrada da Tamburello, guinou para a direita. Ele freou e reduziu marchas, de acordo com a telemetria. O impacto frontal, às 14h12 locais, aconteceu a 216 km/h. A barra da suspensão dianteira direita voltou-se contra o capacete, penetrou a viseira e atingiu sua cabeça pouco acima do olho direito. Ele morreu na hora. "Da pista, o doutor Gordini já tinha me avisado que havia pouco a fazer."

Mas, como todo médico, Maria Teresa Fiandri fez o possível, mesmo sabendo que o quadro era irreversível. "Do ponto de vista cerebral, já não havia mais atividade imediatamente após a batida. Ele chegou ao hospital com o pulso fraquíssimo, quase sem pressão. Mas, depois, voltou ao normal. Só que não havia mais atividade cerebral, era uma questão de tempo para que ele fosse legalmente considerado morto."

Ela diz ter consciência de que participou de um episódio histórico, mas não revela, no tom de voz suave e tranqüilo, nenhum tipo de emoção especial, não diferente da que provavelmente teria se relatasse outros casos de pacientes que passaram por suas mãos. E guarda, de Senna, uma imagem bem diferente daquela transmitida pelos que viram seu rosto, horas depois do acidente: "Ele chegou a mim pálido, mas belo e sereno".

Ele já havia recebido os primeiros socorros na pista e no helicóptero. Estava pálido, mas belo, sereno... Um jovem bonito, com os cabelos revoltos, os olhos fechados. É a imagem que ela guardou. Tinha um corte na testa, três ou quatro centímetros. Mais nada. Era a única ferida. Chegou ainda de macacão. Mas quando o viramos, vi que tinha muito sangue. E eu me perguntava: "Mas de onde vem tanto sangue?" Saía de trás, da base do crânio. Lembro do macacão, quando lavamos, para devolver à família, tinha tanto sangue... E eu disse à Monica, uma assistente de enfermagem: "Não podemos entregar isso a eles assim". Mas era colocar na água e a água ficar vermelha.

Ficou gravada na memória de todos aquele sangue na pista...

Pelo movimento da cabeça dele, logo após o carro parar de rodopiar, ela concluí na hora que era algo muito grave. Ali ele já entrava em coma, mas o coma é um fenômeno muito estranho. Por isso foi só quando viu o resultado da tomografia foi que ela teve certeza de que não havia nada a fazer, embora o doutor Gordini (Giovanni Gordini, que o atendeu na pista) já tivesse avisado-a que não tinha volta. Foi feito um eletroencefalograma. Já não havia mais atividade elétrica. Quando ele chegou, o pulso estava fraquíssimo e quase sem pressão. Mas antes do eletro, tinha voltado tudo ao normal. Mas quando o eletro foi analisado constatou-se que não havia nada a fazer.

A médica fala sobre o momento em que deu a notícia: "Eu me lembro de seu irmão, não sei se ele tinha noção da gravidade da situação. Eu o levei para ver os resultados dos exames. Expliquei que já não havia mais atividade elétrica. Mas quem assumiu o controle de tudo foi uma moça, que parecia tomar as decisões naquele momento (ela se refere a Betise Assumpção, então assessora de imprensa de Senna, hoje casada com Patrick Head, um dos sócios da Williams)".

Não houve nenhuma chance de sobrevivência quando a equipe médica viu o resultado do eletro. Mas, pela lei ele não estava morto, era preciso esperar o coração parar de bater. Mas não havia nenhuma esperança mesmo. Foi imediata a profundidade do coma na batida.

Nesse dia a dra Fiandri só conseguiu dormir tomando umas 20 gotas de Valium... "Ele era um jovem, um piloto, ele em particular, um pouco herói, carismático. Eu recebi muitas cartas do Brasil, gente me perguntando se ele tinha recuperado a consciência. As pessoas tinham necessidade de saber algo".

 

A chegada a São Paulo, o Cortejo, a Emoção

O corpo deixou a Itália apenas no fim da tarde de quarta-feira, portanto 3 dias após sua morte, num caixão fechado. Quinta-feira, cinco horas da manhã, o avião da Varig, que que trazia os restos mortais de Ayrton, chega a Guarulhos. O Brasil recebe o corpo do herói com todas as formas de honrá-lo possíveis. Soldados da polícia da aeronáutica carregam o esquife do avião até o solo brasileiro. O corpo é depois transportado por cadetes da Escola da Polícia Militar até o carro de bombeiros que o levaria à Assembléia Legislativa, no bairro do Ibirapuera.

O cortejo, de pouco mais de 30 quilômetros, é acompanhado por cerca de 600 mil pessoas nas ruas de São Paulo, e transmitido pela televisão, para todo o país, e para vários outros países. Na Assembléia Legislativa, o velório têm sessões para a família e amigos pessoais, para pilotos e celebridades e, a mais movimentada de todas, para o povo, fã ardoroso do grande mito e herói popular. Com uma fila de quase oito quilômetros, cerca de 200 mil pessoas prestaram homenagem ao piloto.

O caixão, coberto com a bandeira do Brasil e o capacete de Senna, deixaria o velório na sexta-feira, depois de ser visitado pelos pilotos e ex-pilotos Emerson Fittipaldi, Gerhard Berger, Frank Williams, Ron Dennis, Rubens Barrichello, Roberto Pupo Moreno, Jackie Stewart, Johnny Herbert, Michele Alboreto, Damon Hill, entre outros, além de celebridades, como as ex-namoradas Adriane Galisteu e Xuxa Meneghel, a apresentadora Hebe Camargo, o radialista Osmar Santos e os políticos no poder na época: o prefeito Paulo Maluf, o governador Luis Antônio Fleury e o presidente Itamar Franco.

Depois das salvas de tiros de fuzil e canhão, o corpo de Senna foi levado novamente em um carro de bombeiros para o Cemitério do Morumbi. Os colegas pilotos ajudaram a carregar o caixão para a sepultura. Pouco antes das 13h, Senna era enterrado, não antes da última homenagem: a Esquadrilha da Fumaça desenhava, num céu azul de São Paulo, um coração com o "S" de Senna. O local de sepultura, em meio a um gramado, virou local de peregrinação e culto de brasileiros e estrangeiros que veneram o piloto. Isto ocorreu mais fortemente nos primeiros anos, entretanto até hoje muita gente ainda vai até o local, a cada ano, prestar as merecidas homenagens a alguém ímpar no mundo, e mais ainda em nosso país.




Veja o desempenho e pontuação dos Pilotos nas Temporadas de:
| 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 |
| 2005 | 2004 | 2003 | 2002 | 2001 | 2000 | 1999 | 1998 |

| Albers | Alesi | Alonso | Barrichello | Berger | Bernoldi | Bourdais | Bruno | Buemi | Button | Christian | Coulthard |
| da Matta | de la Rosa | Di Grassi | Diniz | Firman | Fisichella | Frentzen | Glock | Grosjean | Gutierrez | Hakkinen |
| Hamilton | Heidfeld | Hulkenberg | Irvine | Klien | Kobayashi | Kubica | Kovalainen | Liuzzi | Maldonado | Massa |
| Monteiro | Montoya | Nakano | Nelsinho | Panis | Perez | Piquet | Pizzonia | Raikkonen | Ralf | Rosberg |
| Rosset | Salo | Sato | Schumacher | Senna | Sutil | Trulli | Verstappen | Vettel | Villeneuve | Webber | Wilson | Wurz |